sexta-feira, novembro 24, 2017

PRIMEIRO DIA DO TRÍDUO PREPARATÓRIO PARA A FESTA DE SÃO CONRADO


Ao contrário de Marcos, que insiste na incredulidade do povo diante da pessoa e da mensagem de Jesus, Lucas, nesta página, acentua a sua lamentação e o seu choro sobre Jerusalém, estabelecendo um claro contraste com as aclamações e louvores que, pouco antes, lhe tinham sido dirigidos (cf. Lc 19, 38). O choro de Jesus revela-nos a sua humanidade autêntica e, ao mesmo tempo, a sua total participação no drama de uma humanidade que resiste a entrar no projeto salvífico de Deus. Jesus salva-nos com o seu poder divino; mas também com a sua fragilidade humana.
A lamentação de Jesus encerra um juízo e oferece uma motivação. O juízo está nas palavras: «Mas agora isto está oculto (por Deus) aos teus olhos» (v. 42). Estas palavras atribuem a Deus o que na realidade depende da livre opção humana. A motivação encontra-se nas palavras: «Se neste dia também tu tivesses conhecido» (v. 42). Estas palavras correspondem a uma afirmação: Tu não conheceste nem queres conhecer. Mas o mais urgente é revelar dois elementos positivos que caracterizam a lamentação de Jesus: a paz e o tempo da visita.
A paz é o dom messiânico por excelência. Jesus veio proclamá-la e oferecê-la a todos. Mas é preciso acolhê-la para caminhar com Jesus até ao termo do seu itinerário. O tempo de que fala Jesus é o “tempo providencial” (kairós) em que Deus visita o seu o povo para o libertar e introduzir no Reino. São dois acenos que iluminam o seu martírio que está próximo.











quinta-feira, novembro 23, 2017

OS POBRES E A POBREZA



Celebramos no domingo passado, por instituição do Papa Francisco, o 1º Dia Mundial dos Pobres, ocasião oportuna para refletirmos mais sobre a pobreza e suas implicações morais, na linha da doutrina social da Igreja.
“Hoje muitos homens, talvez a maioria, não dispõem de instrumentos que consintam entrar, de modo efetivo e humanamente digno, dentro de um sistema de empresa, no qual o trabalho ocupa uma posição verdadeiramente central... Em suma, eles, se não são propriamente explorados, veem-se amplamente marginalizados, e o progresso econômico desenvolve-se, por assim dizer, por cima das suas cabeças, quando não restringe ainda mais os espaços já estreitos das suas economias tradicionais de subsistência... Muitos outros, embora não estando totalmente marginalizados, vivem inseridos em ambientes onde a luta pelo necessário é absolutamente primária... Infelizmente a grande maioria dos habitantes do Terceiro Mundo vive ainda nestas condições” (S. João Paulo II, Centesimus Annus, 33).
“Quanto aos deserdados da fortuna, aprendam da Igreja que, segundo o juízo do próprio Deus, a pobreza não é um opróbrio e que se não deve corar por ter de ganhar o pão com o suor do seu rosto. É o que Jesus Cristo nosso Senhor confirmou com o seu exemplo. Ele que, ‘de muito rico que era, se fez indigente’ (2Cor 8,9) para a salvação dos homens; que, Filho de Deus e Deus Ele mesmo, quis passar aos olhos do mundo como filho dum carpinteiro, que chegou a consumir uma grande parte da sua vida no trabalho manual: ‘Não é Ele o carpinteiro, filho de Maria’ (Mc 6,3)? Quem tiver na sua frente o modelo divino compreenderá mais facilmente o que vamos dizer: que a verdadeira dignidade do homem e a sua excelência reside nos seus costumes, isto é, na sua virtude; que a virtude é o patrimônio comum dos mortais, ao alcance de todos, dos pequenos e dos grandes, dos pobres e dos ricos; só a virtude e os méritos, seja qual for a pessoa em que se encontrem, obterão a recompensa da eterna felicidade. Mais ainda: é para as classes desafortunadas que o coração de Deus parece inclinar-se mais. Jesus Cristo chama os pobres bem-aventurados (cf. Mt 5,3); convida com amor a virem até Ele, a fim de consolar todos os que sofrem e choram (cf. Mt 11, 18). Abraça com a caridade mais terna os pequenos e os oprimidos. Estas doutrinas foram, sem dúvida alguma, feitas para humilhar a alma orgulhosa do rico e torna-la mais condescendente, para reanimar a coragem daqueles que sofrem e inspirar-lhes resignação. Com elas achar-se-ia diminuído o abismo procurado pelo orgulho e obter-se-ia sem dificuldade que as duas classes se dessem as mãos, e as vontades se unissem na mesma amizade” (Leão XIII, Rerum Novarum, 15).
“A caridade representa o maior mandamento social. Respeita o outro em seus direitos. Exige a prática da justiça e só ela nos torna capazes de praticá-la. Inspira uma vida de autodoação: ‘Quem procura ganhar sua vida vai perdê-la; e quem a perder vai conservá-la’ (Lc 17, 33)” (Catecismo da Igreja Católica, n. 1889). 

Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney

terça-feira, novembro 21, 2017

XXXIII DOMINGO DO TEMPO COMUM



Antes de mais, é preciso ter presente que nós, os cristãos, somos agora no mundo as testemunhas de Cristo e do projeto de salvação/libertação que o Pai tem para os homens. É com o nosso coração que Jesus continua a amar os publicanos e os pecadores do nosso tempo; é com as nossas palavras que Jesus continua a consolar os que estão tristes e desanimados; é com os nossos braços abertos que Jesus continua a acolher os imigrantes que fogem da miséria e da degradação; é com as nossas mãos que Jesus continua a quebrar as cadeias que prendem os escravizados e oprimidos; é com os nossos pés que Jesus continua a ir ao encontro de cada irmão que está sozinho e abandonado; é com a nossa solidariedade que Jesus continua a alimentar as multidões famintas do mundo e a dar medicamentos e educação àqueles que nada têm… Nós, cristãos, membros do “corpo de Cristo”, que nos identificamos com Cristo, temos a grave responsabilidade de O testemunhar e de deixar que, através de nós, Ele continue a amar os homens e as mulheres que caminham ao nosso lado pelos caminhos do mundo.

Os dois “servos” da parábola que, talvez correndo riscos, fizeram frutificar os “bens” que o “senhor” lhes deixou, mostram como devemos proceder, enquanto caminhamos pelo mundo à espera da segunda vinda de Jesus. Eles tiveram a ousadia de não se contentar com o que já tinham; não se deixaram dominar pelo comodismo e pela apatia… Lutaram, esforçaram-se, arriscaram, ganharam. Todos os dias, há cristãos que têm a coragem de arriscar. Não aceitam a injustiça e lutam contra ela; não pactuam com o egoísmo, o orgulho, a prepotência e propõem, em troca, os valores do Evangelho; não aceitam que os grandes e poderosos decidam os destinos do mundo e têm a coragem de lutar objetivamente contra os projetos desumanos que destroem esta terra; não aceitam que a Igreja se identifique com a riqueza, com o poder, com os grandes e esforçam-se por torná-la mais pobre, mais simples, mais humana, mais evangélica; não aceitam que a liturgia tenha de ser sempre tão solene que assuste os mais simples, nem tão etérea que não tenha nada a ver com a vida do dia a dia… Muitas vezes, são perseguidos, condenados, desautorizados, reduzidos ao silêncio, incompreendidos; muitas vezes, no seu excesso de zelo, cometem erros de avaliação, fazem opções erradas… Apesar de tudo, Jesus diz-lhes: “muito bem, servo bom e fiel. Porque foste fiel em coisas pequenas, confiar-te-ei as grandes. Vem tomar parte na alegria do teu Senhor”.

O servo que escondeu os “bens” que o Senhor lhe confiou mostra como não devemos proceder, enquanto caminhamos pelo mundo à espera da segunda vinda de Jesus. Esse servo contentou-se com o que já tinha e não teve a ousadia de querer mais; entregou-se sem luta, deixou-se dominar pelo comodismo e pela apatia… Não lutou, não se esforçou, não arriscou, não ganhou. Todos os dias há cristãos que desistem por medo e covardia e se demitem do seu papel na construção de um mundo melhor. Limitam-se a cumprir as regras, ou a refugiar-se no seu cantinho comodo, sem força, sem vontade, sem coragem de ir mais além. Não falham, não cometem “pecados graves”, não fazem mal a ninguém, não correm riscos; limitam-se a repetir sempre os mesmos gestos, sem inovar, sem purificar, sem nada transformar; não fazem, nem deixam fazer e limitam-se a criticar asperamente aqueles que se esforçam por mudar as coisas… Não põem a render os “bens” que Deus lhes confiou e deixam-nos secar sem dar frutos. Jesus diz-lhes: “servo mau e preguiçoso, sabias que ceifo onde não semeei e recolho onde não lancei; devias, portanto, depositar o meu dinheiro no banco e eu teria, ao voltar, recebido com juro o que era meu”.

Quantos homens, mulheres e crianças, em todo o mundo, mas também perto de nós, lançam SOS para que a sua vida seja salva, e que eles possam viver de pé, dignamente, humanamente! Jesus ouviu os seus gritos, escutou-os, respondeu-lhes com uma palavra, um olhar, um gesto, e era sempre para transmitir dignidade, confiança, saúde, paz. Fechamos hoje os nossos ouvidos? Agarramo-nos às nossas riquezas? E se fizéssemos um desvio no nosso caminho para nos aproximarmos, para nos fazermos próximo de todos aqueles que caíram na beira do caminho?























sábado, novembro 18, 2017

PROGRAMAÇÃO FESTA DO PADROEIRO



Programação Festa do Padroeiro
São Conrado de Constança


Tríduo preparatório 

23 de novembro dia Nacional
de Ação de Graças 
missa 18 horas


24 de novembro 
Missa pelos enfermos às 18 horas
-Missão popular no Cond. Recreio das Canoas, benção dos moradores às 19h30min

25 de novembro
Benção do bairro no alto da Pedra
Bonita na rampa dos voadores às 10h e
missa na matriz 17h30min com homenagem 
das crianças da catequese a São Conrado.


26 de novembro
Festa de Cristo Rei e consagração 
dos moradores a São Conrado.
Missa 10,12 e 19 horas

DEDICAÇÃO DAS BASÍLICAS DE SÃO PEDRO E SÃO PAULO



O Site ACI noticiou que hoje, dia 18 de novembro, a Igreja celebra a dedicação das Basílicas dos Apóstolos São Pedro e São Paulo, templos em Roma que contêm os restos destes dois grandes apóstolos do cristianismo e símbolos da fraternidade e da unidade da Igreja.

A Basílica de São Pedro no Vaticano foi construída sobre o túmulo do Apóstolo, que morreu crucificado de cabeça para baixo. No ano 323 o imperador Constantino mandou construir aí a Basílica dedicada àquele que foi o primeiro Papa da Igreja.

A atual Basílica de São Pedro demorou 170 anos para ser construída. Começou com o Papa Nicolás V em 1454 e foi terminada pelo Papa Urbano VIII, que a consagrou no dia 18 de novembro de 1626. Data que coincide com a consagração da antiga Basílica.

Bramante, Rafael, Michelângelo e Bernini, famosos artistas da história, trabalharam nela plasmando o melhor de sua arte.

A Basílica de São Pedro mede 212 metros de comprimento, 140 de largura e 133 metros de altura na sua cúpula. Não há nenhum templo no mundo que tenha tamanha extensão.

A Basílica de São Paulo Fora dos Muros é, depois de São Pedro, o maior templo de Roma. Surgiu também por vontade de Constantino. Em 1823 foi destruída, quase completamente, por um terrível incêndio. Leão XIII iniciou a sua reconstrução e foi consagrada em 10 de dezembro de 1854 pelo Papa Pio IX.

Um dado interessante é que sob as janelas da nave central e das naves laterais, em mosaico, encontram-se os retratos de todos os Papas desde São Pedro até o atual, o Papa Francisco.

Em 2009, por ocasião desta celebração, o Papa Bento XVI disse que “esta festa nos proporciona a ocasião de ressaltar o significado e o valor da Igreja. Queridos jovens, amem a Igreja e cooperem com entusiasmo em sua edificação”.


O que é uma basílica e por que é importante?

O que é exatamente uma basílica e qual é a sua importância? A palavra “basílica” vem do latim basilica, que deriva do grego basiliké. Significa “casa real”. No período do Império Romano, era o lugar onde estava localizado o tribunal de justiça.

Os Papas concedem o título de “basílica” a um templo devido à sua importância espiritual e histórica.

Uma basílica é o centro espiritual e evangelizador de uma comunidade e também serve para difundir uma devoção especial à Virgem Maria, a Jesus ou a algum santo.

As celebrações litúrgicas que acontecem nelas também devem ser celebradas em outras igrejas da diocese.

As basílicas também acolhem tesouros sagrados da Igreja Católica, como túmulos e relíquias de santos; e promovem a divulgação dos documentos da Santa Sé.

Tipos de basílica

Existem quatro templos que levam o título de basílica maior em Roma: a Basílica de São Pedro, a Basílica de Santa Maria Maior, a Basílica de São Paulo Extramuros e a Basílica de São João de Latrão.

Fachada da Basílica de São João de Latrão/ Foto: Ximena Rondón

Uma basílica maior tem um altar maior no qual apenas o Papa e seus delegados podem celebrar a Missa. Além disso, distingue-se porque tem uma Porta Santa que os fiéis podem cruzar durante um Ano Santo para ganhar uma indulgência plenária.

Fachada da Basílica de Santa Maria dos Anjos, em Assis / Foto: Ximena Rondón

As basílicas menores são os templos que receberam esse título por uma concessão do Papa ou da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos.

Geralmente são santuários e catedrais que recebem um grande número de peregrinos pelos tesouros sagrados que guardam ou pela sua importância histórica. No total, existem mais de 1500 basílicas menores em todo o mundo.

Algumas das mais conhecidas na Itália são a de São Lourenço Extramuros, em Roma, a de São Francisco e Santa Maria dos Anjos, em Assis, a terra do santo dos estigmas.

Em outros países são conhecidas a Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe, no México, a Basílica do Sagrado Coração (Sacré-Coeur), na França, a Igreja da Sagrada Família, em Barcelona, a Basílica de Nossa Senhora de Luján, na Argentina, a Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Chiquinquirá, na Colômbia, e a Basílica de Nossa Senhora Aparecida, no Brasil.

Basílica do Sagrado Coração (Sacré-Coeur) na França / Foto: Ximena Rondón

As partes de uma basílica

A parte exterior de uma basílica se chama átrio. O vestíbulo interior se chama nártex e depois a nave central, onde se reúnem os fiéis, e as naves laterais, onde costumam estar os confessionários, as capelas e o batistério.

Nave central da Basílica de São João de Latrão/ Foto: Ximena Rondón

Na abside, a cabeceira do templo, está o altar maior, que geralmente está coberto por um baldaquino, um tipo de cúpula sustentada por quatro colunas. O baldaquino mais conhecido é o de Bernini, que está em cima do altar maior da Basílica de São Pedro.

Baldaquino de São Pedro / Foto: Ximena Rondón

Em algumas basílicas, como São Pedro e São Paulo Extramuros, embaixo do altar maior está o túmulo de um santo ou mártir.

Na parte de trás do baldaquino está o trono onde o Bispo ou o Papa se senta, caso visitem o templo.

Trono da Basílica de São João de Latrão / Foto: Ximena Rondón

Na parte lateral do baldaquino estão as sacristias.

A Basílica mais antiga do mundo é a de São João de Latrão. Construída no palácio da família nobre dos Lateranos que o Imperador Constantino entregou à Igreja Católica. O Papa São Silvestre consagrou o templo no ano 324.



quinta-feira, novembro 16, 2017

1º DIA DOS POBRES,POR DOM FERNANDO RIFAN



No próximo domingo, dia 19, por instituição do Papa Francisco, se celebrará o primeiro Dia Mundial dos Pobres, com o lema “Não amemos com palavras, mas com obras”, extraído, da frase da 1ª Carta de São João: “Meus filhinhos, não amemos com palavras nem com a boca, mas com obras e com verdade” (1 Jo 3, 18). E o Papa Francisco explica: “Estas palavras do apóstolo João exprimem um imperativo de que nenhum cristão pode prescindir. A importância do mandamento de Jesus, transmitido pelo ‘discípulo amado’ até aos nossos dias, aparece ainda mais acentuada ao contrapor as palavras vazias, que frequentemente se encontram na nossa boca, às obras concretas, as únicas capazes de medir verdadeiramente o que valemos”.
“Possuímos um grande testemunho já nas primeiras páginas dos Atos dos Apóstolos, quando Pedro pede para se escolher sete homens ‘cheios do Espírito e de sabedoria’ (6, 3), que assumam o serviço de assistência aos pobres. Este é, sem dúvida, um dos primeiros sinais com que a comunidade cristã se apresentou no palco do mundo: o serviço aos mais pobres. Tudo isto foi possível, por ela ter compreendido que a vida dos discípulos de Jesus se devia exprimir numa fraternidade e numa solidariedade tais, que correspondesse ao ensinamento principal do Mestre que tinha proclamado os pobres bem-aventurados e herdeiros do Reino dos céus”.
“... ‘De que aproveita, irmãos, que alguém diga que tem fé, se não tiver obras de fé? Acaso essa fé poderá salvá-lo? Se um irmão ou uma irmã estiverem nus e precisarem de alimento quotidiano, e um de vós lhes disser: ‘Ide em paz, tratai de vos aquecer e matar a fome’, mas não lhes dais o que é necessário ao corpo, de que lhes aproveitará? Assim também a fé: se ela não tiver obras, está completamente morta’ (Tg 2,14-17)”.
“Nestes dois mil anos, quantas páginas de história foram escritas por cristãos que, com toda a simplicidade e humildade, serviram os seus irmãos mais pobres, animados por uma generosa fantasia da caridade!... Se realmente queremos encontrar Cristo, é preciso que toquemos o seu corpo no corpo chagado dos pobres, como resposta à comunhão sacramental recebida na Eucaristia”.
“Não esqueçamos que, para os discípulos de Cristo, a pobreza é, antes de mais, uma vocação a seguir Jesus pobre. Pobreza significa um coração humilde, que sabe acolher a sua condição de criatura limitada e pecadora, vencendo a tentação de omnipotência que cria em nós a ilusão de ser imortal...”.
“Convido a Igreja inteira e os homens e mulheres de boa vontade a fixar o olhar, neste dia, em todos aqueles que estendem as suas mãos invocando ajuda e pedindo a nossa solidariedade. São nossos irmãos e irmãs, criados e amados pelo único Pai celeste. O convite é dirigido a todos, independentemente da sua pertença religiosa, para que se abram à partilha com os pobres em todas as formas de solidariedade, como sinal concreto de fraternidade”.
“Senhor, dai pão a quem tem fome/ e fome de justiça a quem tem pão!

 Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney

terça-feira, novembro 14, 2017

AMOR A SÃO CONRADO-PRETA GIL,GILBERTO GIL E ELBA RAMALHO



O Show Amor a São Conrado foi uma ideia que nos surgiu para podermos angariar dinheiro para manter a nossa Igreja de São Conrado. Em 23 de novembro de 2015 tivemos a sua primeira edição com Elba Ramalho e participação especial de Maria Bethânia, foi um momento inesquecível. Agora em 2017, exatamente ontem, dia 13 de novembro, ocorreu a segunda edição do Show tendo Preta Gil e seus lindos convidados Gilberto Gil e Elba Ramalho. Um momento de carinho, solidariedade e de um espetáculo que entra para história da MPB. Impossível porém não registrar além do meu agradecimento aos cantores amigos(e suas bandas), mas também ao Teatro Oi Casa Grande que sempre abre suas portas com generosidade imensurável. Sem a gratuidade do espaço e nenhum custo para nós Paróquia seria impossível realizar o show.

Obrigado Preta Gil sua bondade e seu carinho são um encanto; 
Obrigado Gilberto Gil pela sua genialidade traduzida em amor; 
Obrigado Elba, pelo sua dedicação, pela sua presença sempre amiga e alegre.

Obrigado a ONG REDE que nos ajudou ,ajudando aos outros . 

Padre Marcos Belizário Ferreira 
Pároco da Matriz de São Conrado















Ranny B Vaz

 Quero agradecer Deus e ao Senhor pelo momento de ontem.
Vou lembrar pra sempre o que eu vivi ontem. Foi lindo!!!
Vou levar pra minha vida à noite de ontem. Inesquecível 

 Parabéns pelo evento de ontem,sucesso absoluto! 
Liliana

Bom dia, Padre!!
Já soube também que foi um sucesso!!
Louvado seja Deus!!!
Obrigada pelo empenho em administrar essa Paróquia tão linda!!!
Santina

Padre Marcos,
Que noite espetacular!
Fui dormir feliz! Ainda existem pessoas boas nesse mundo!
Que trio maravilhoso!
O mérito tb é todo seu que faz acontecer . Trabalha arduamente pelo o próximo!
Viviane

Padre Marcos: foi simplesmente o máximo!!!!!!!!!!Super showwww!!!
O Sr é incrivelmente maravilhoso!!!!
Parabéns!!!
O  repertório escolhido com muito amor e delicadeza!!
Foi O SHOW do ANO!!!!
Silvia Ururahy

Show maravilhoso! Teatro lotado! Parabéns!
Carol Murta

Ficamos muito felizes com a noite de hoje ! Sucesso total.
Posso imaginar o quanto está feliz.
Silvia Werther

Padre Marcos 
Parabéns o show foi muito bom e casa lotada 
Abs Roberto

Parabéns!!! 
O show foi maravilhoso!!!
Evany

Eu acho que todo mundo saiu com esse mesmo pensamento pelo que eu escutei ali fora, as pessoas que vieram falar comigo realmente Padre tava todo mundo assim inebriado ainda pelo show, pelo carinho pelo calor humano de todo mundo. 
Parabéns Padre.
Sonia Valle

Padre Marcosfoi linda a noite de ontem com aquele trio,eles fazendo aquela reverência especial ao senhor foi maravilhoso tudo dentro da do que a gente imaginava e muito mais ,realmente ter esse trio cantando e encantando foi demais, valeu a pena muito obrigado Um forte abraço.
Alberto Corona

Padre Marcos: O show foi maravilhoso,  amamos.. Obrigado
Edson Vicente

 Padre Marcos !
Que show maravilhoso !!
Adoramos  e agradecemos os ingressos !
Parabéns à nossa paróquia!!
Maura

Lindo show! Parabéns pela iniciativa e por ter levado tantas pessoas ao teatro. Foi uma noite especial!
Cristina Pardellas

Parabéns pelo lindo show de ontem! Foi mt bom estar lá e fiquei feliz de ver o teatro cheio.
Vania

Bom dia Padre Marcos , Parabéns pelo show ! Foi lindo !!! Adoramos !
Adriane

Padre muito obrigado pelo show foi maravilhoso e o Sr merece todo  esse carinho. 
Aloan

 Parabéns !!!!!!! Um grande sucesso !!!!!!!
Fico feliz .
Muita saúde, muita paz 
Márcia

Parabéns!!!
Noite gloriosa!!!
Norma

Padre Marcos, obrigada pelo show que nos ofereceu.
Nunca teria ido se não fosse para ajudar a paróquia mas, amei! Minha irmã, meu Irmão é minha cunhada também amaram.
Além de serem maravilhosos, conseguiram dar um tom de igreja, falaram de Deus, de amor e de fé.
Foi muito lindo, obrigada. 
Marien

Bom dia Padre Marcos e parabéns pelo show de ontem 
Sucesso total!
Abraço!
Jorge Paschoalina

Padre,queremos  parabeniza-lo pela beleza do show apresentado , ficamos muito felizes !❤
Sérgio e Ana

Boa tarde Padre Marcos, show incrível
Músicas bem escolhidas e ambiente descontraído.
Um sucesso, parabéns!
Claudia R Miranda C Araujo

 Boa tarde Padre Marcos,
Parabéns pelo maravilhoso espetáculo.
O senhor conseguiu reunir artistas fantásticos e encher uma plateia de pessoas que lhe admira muito.
Obrigada pela sua existência nas nossas vidas.
Ligia Castro

Aconteceu  o show e que  show  !!!! Elba ,  amiga  querida sempre  disposta a  ajudar  sua  Paroquia. Preta  Gil,  a caçula  da  Paróquia  e tão  amiga ,  simples,  simpática ,  super  amável,  chegou  agora  é não  exitou  no  sim a' Paróquia. Gilberto  Gil,  que  carinho,  amor  e  Fe ' em Deus  e  confiou  em  meu  filho.  Trio forte ,  conscientes  do que  é  Caridade. Flora Gil ,  trabalhou  no  silêncio  atrás  dos  panos,  Obrigada pelo  empenho  do  espetáculo  acontecer! !! ! São  Conrado  abençoe, interceda  por  vocês .
Lígia Belizário

Show maravilhoso! Todos nós adoramos! Foram momentos de muita alegria! Que Deus abençoe todos os que nos proporcionaram essa diversão. Grande abraço.
 Zu & Antônia.